Review – Ghostrunner

Acerte rápido, seja preciso e não pare por nada

Muitos apreciam o esporte parkour, por suas escaladas em prédios, pulos e acrobacias arriscadas, porém poucos conseguem realizar tais feitos, logo, cabe aos jogos suprirem tal vontade. Em diversos títulos, os personagens se encontram em grandes escaladas e saltos sobre-humanos, Mirror’s Edge foi pioneiro em trazer tal adrenalina em primeira pessoa, agora foi a vez de Ghostrunner resgatar esse fervor com o auxílio de uma katana em um universo cyberpunk.

Corra mais rápido que minha bala

Em Ghostrunner, você joga como um assassino ciborgue com alguns poderes Jedi e uma katana. Não há nada – pelo menos para mim – que possa tornar issi mais legal, em termos de conceito de jogo. Os desenvolvedores da One More Level, 3D Realms e Slipgate6 entregaram um jogo rápido, de ação rápida, aventura rápida, combate rápido, plataforma rápida que, se eu já não mencionei, é muito, muito rápido. Você está se movendo constantemente enquanto tudo ao seu redor o incita a jogar mais um nível e quando percebe acabou o jogo ou terminou uma fase com 248 mortes.

A narrativa no jogo é feita de forma passiva, de modo que não perca o ritmo com muitas cenas entre o jogo e é executada muito bem. O diálogo entre o Ghostrunner e outros personagens como O Arquiteto ou Zoe acontece por meio de um sistema de comunicação em sua cabeça, conforme você avança no nível.

Combinado com a narrativa ambiental que está constantemente acontecendo ao seu redor enquanto você pula e corta tudo pela Torre e pela Cidade de Dharma, tudo se mescla bem. Você também estará constantemente acompanhando a trilha sonora, embalada com tantos sintetizadores e graves quanto puder, dando vontade de ligar numa caixa de som enorme para tremer a casa toda.

A atmosfera que Ghostrunner cria é elétrica e frenética. Parece ótimo, soa ótimo e é ótimo, e tão rápido quanto tudo o mais acontece no Ghostrunner, também acabará rapidamente. Jogar pela primeira vez pode levar cerca de 8h, é claro, depois de praticar nos diferentes níveis e não ficar preso por muito tempo em algumas partes.

Ghostrunner Review - GameSpot

Pense, aja e reaja rapidamente

Sua arma principal em todo o jogo é uma única katana, feita especialmente para Ghostrunners usarem. Suas outras armas vêm na forma de mobilidade e poderes especiais que você ganha conforme avança na história. Blink, Tempest, Surge e Overlord são as quatro habilidades especiais que você ganha no final de certos níveis, e todas têm suas próprias vantagens táticas contra diferentes inimigos.

Parte do excelente ritmo do jogo é quão bem varia os inimigos com os quais você vai lutar. Seus inimigos são simples, mas desafiadores o suficiente para ajudar os jogadores a se acostumar com o ritmo de jogo. À medida que você se torna mais habilidoso, entretanto, a dificuldade e a posição do inimigo aumentam para alcançá-lo. Fica ainda mais doce quando você consegue aquela morte final e vê o torso de seu inimigo levitar no ar por um segundo em câmera lenta.

A interface dentro do jogo é clara e fácil de usar como todas as IUs deveriam ser, mas os desenvolvedores foram além e colocaram um pouco de tetris no sistema de melhorias, o que torna deveras divertido escolher quais melhorias aplicar. Além disso, a capacidade de trocar diferentes blocos de atualização a qualquer momento me permite me adaptar a um encontro com o qual possa estar tendo dificuldade.

Ghostrunner Upgrades Not Mandatory Achievement - SteamAH

Ritmo frenético e fácil de se acostumar

O level design de Ghostrunner é um ponto alto e um ponto baixo. Embora você tenha muita mobilidade e possa usar seu ambiente de maneiras criativas, a plataforma nem sempre é tão precisa quanto deveria ser. Houve muitos casos em que eu estava morrendo porque, embora eu estivesse na parede, meu personagem não começou a correr na parede, então eu caía.

A variedade e o posicionamento do inimigo nos níveis são muito bons e criativos, embora nem todos tenham sido perfeitamente ajustados. Especificamente com os chamados Enforcers, eles usam um escudo que desafia você a ficar atrás deles para poder atacar. Isso é muito bom até que você perceba que eles são capazes de rastrear seus movimentos incrivelmente bem.

O pior é qualquer movimento errado e você fica atordoado ao bater acidentalmente no escudo deles, o que quase sempre resultará em sua morte. Agrupar esses inimigos como o jogo faz em alguns casos foi particularmente frustrante e foi mais irritante do que provavelmente deveria ser.

As lutas contra os chefes são excepcionalmente criativos. Essas lutas são feitas sob medida para não se prolongar e funcionam bem, embora você ainda vá morrer por causa de um erro ou outro.

O que eu não gosto neles, no entanto, é porque há essencialmente um padrão ou rota específica que essas batalhas seguirão, a liberdade e a variedade a serem encontradas no resto do jogo desaparecem subitamente. Você não pode abordar essas lutas de outra forma além da forma como deveriam acontecer, e parecia um retrocesso em comparação com o resto do jogo.

Ghostrunner Boss Guide

Apesar de algumas dificuldades em certas partes, Ghostrunner é uma experiência gratificante. No geral, é um jogo excepcional e muito divertido de jogar. Também é ótimo para rejogabilidade para quem deseja atingir os tempos mais rápidos para cada nível ou apenas encontrar todos os itens colecionáveis. A jogabilidade central é intensa e emocionante, e tudo ao seu redor contribui para criar uma atmosfera que parece justa e envolvente.

A execução da narrativa é muito boa, embora o enredo em si seja bastante previsível e simples. O level design é criativo, mas não tão precisa quanto provavelmente deveria ser. O combate é intenso a todo vapor, mas pode se tornar irritante com certas IA inimigas.

Há um pouco de diferença em tudo ao longo do jogo, mas nunca chega perto de diminuir o quão bom é quando está disparando em todos os cilindros. Como está atualmente, Ghostrunner é o melhor jogo futurístico, de ficção científica e cyberpunk lançado em 2020.

NOTA: 9/10 vezes que tentei rebater o tiro de um inimigo e morri

Ghostrunner está disponível para PC, PS4, Xbox One e chegará ao Nintendo Switch ainda este ano.

Otto

Um rapaz que fez do hobby um trabalho. Sempre interessado em aprender e conhecer mais. Gamer desde criança e aficionado por Board games. Altas madrugadas jogando e trabalhando incansavelmente.