Review – MotoGP 19

De tombo em tombo o piloto enche o currículo

MotoGP é uma franquia que busca entregar ao jogador a melhor experiência possível dentro do esporte. E, portanto, está sempre procurando se manter atualizado. Não apenas com a parte tecnológica de um videogame (gráficos, física, jogabilidade, etc.), mas com as mudanças no cenário do esporte que representa (mudanças nas regras de cada competição, nas equipes e seus pilotos, nas próprias motos). MotoGP 19 aplica e mostra tudo isso de maneira excelente.

O jogo conta com todos os 19 circuitos oficiais da temporada de 2019 e pilotos das categorias MotoGP, Moto2, Moto3, Red Bull MotoGP Rookies Cup e, pela primeira vez, MotoE (que promete trazer uma experiência nova e completamente diferente). A terceira temporada do campeonato oficial MotoGP eSports terá seu retorno nessa edição.

O modo carreira de MotoGP 19 foi desenvolvido com todo tipo de jogador em mente, novatos e veteranos. Aqui você pode escolher em qual categoria quer começar. Mas poder iniciar a jornada no campeonato para novatos e tentar chegar aos times mais prestigiados é uma excelente opção (e provavelmente a melhor ideia) para os iniciantes. É interessante, também, poder, durante a temporada, ir melhorando o desempenho da moto de acordo com suas habilidades de piloto e estratégia.

Para o jogo single player, uma nova tecnologia foi implantada para a inteligência artificial do jogo a Neural AI, que promete entregar ao jogador oponentes mais rápidos, inteligentes e precisos que aprendem e reagem com os seus movimentos (mas com uma ampla gama de dificuldades, para que os novatos encontrem um nível compatível com o seu).

Já o modo online de MotoGP 19 conta agora com servidores dedicados que permitem mais estabilidade na hora de jogar com outros jogadores, seja em salas privadas, públicas ou como o diretor de corrida. Modo no qual você pode escolher o grid de largada e até mesmo aplicar as penalidades (mas vamos deixar essa parte para quem sabe todas as regras).

Temos um conteúdo (DLC) histórico, que conta com mais de 50 lendários pilotos, 35 motos e 3 pistas adicionais. Modo que permite vivenciar as mais emocionantes batalhas, rivalidades e cenários que marcaram e moldaram o MotoGP. Esses eventos permitem mostrar um pouco de como o esporte já foi e como ele mudou durante o tempo até se tornar o que é hoje.

Por fim, temos um editor gráfico em MotoGP 19 para que você possa customizar o seu piloto da maneira que quiser. Diversos acessórios e marcas para dar ao piloto o seu estilo, além de poder customizar o seu próprio capacete (e aparentemente compartilhar com a comunidade).

Por ser um simulador, é um jogo de dificuldade elevada e, portanto, muitas vezes acaba sendo ignorado por jogadores mais casuais (mesmo que esses gostem do esporte). O jogador de MotoGP já tem uma ideia do que esperar a cada título. Ele sabe o que é, e como jogar o jogo.

Esse é o público alvo, que acompanha e apoia a franquia, que gosta do realismo proporcionado pelo jogo. E para esta pessoa, não se tem utilidade um texto mostrando as novidades se comparado à versão anterior. Ela já sabe.

Com isso em mente, nosso objetivo aqui é justamente trazer a experiência de um novato. Alguém que nunca pilotou uma moto, não conhece o jogo e não sabe o que esperar (mas que já viu algumas corridas pela TV e acha maneiro). De forma alguma estamos tentando desmerecer a evolução do jogo, mas esse texto não é sobre isso. É sobre entender se alguém que gosta de corridas, mas não um entusiasta, vai gostar de aproveitar o conteúdo oferecido.

Após alguns poucos minutos com alguns pré requisitos de MotoGP 19 (selecionar aparência, nome, número e sigla) já podemos navegar pelo menu e escolher o modo de jogo (ou passar mais algum tempo customizando ainda mais o piloto, incluindo o estilo de pilotagem). Como todo bom iniciante, liguei todos os assistentes, dificuldade baixa e logo fui jogar uma corrida e ver do que se trata.

Os controles são até bem fluidos (para quem já jogou simuladores de corrida de carro, sabe que jogar pelo joystick não é legal) e não encontrei grandes problemas na jogabilidade, mesmo tendo várias coisas a serem controladas. Temos acelerador, freio dianteiro, freio traseiro, embreagem, subir e descer a marcha, virar para esquerda ou direita e, por fim, jogar o peso para frente ou para trás da moto (acredite, isso faz uma diferença enorme).

Um problema em MotoGP 19 é conseguir manter a linha para fazer as curvas no menor tempo possível. Mesmo com todos os assistentes todos ligados, as curvas não são apenas virar para um lado ou outro. Mas ao mesmo tempo, qual seria a graça se o jogo fizesse tudo, não é mesmo? Os assistentes são bem interessantes e oferecem um bom ponto de partida, pois ajudam a entender os pontos de referência de onde começar a frear para cada curva e por onde seguir.

A medida que for se acostumando pode ir desligando e aumentando a dificuldade e tentando fazer cada volta mais rápida. E se fizer algum erro crítico, ainda pode voltar um pouco no tempo e corrigir e tentar de novo. Ferramenta excelente para novatos.

Após dar algumas voltas e começar a me acostumar a não derrubar a moto percebi algo que mudaria completamente a experiência de jogo: a câmera. O piloto não ve sua moto de trás. Coloquei a câmera em primeira pessoa e rapaz. Foi uma das coisas mais assustadoras que joguei na minha vida. De um jeito positivo. Todo movimento que eu fazia parecia que ia cair da moto e passava a sensação do perigo. Ao começar uma curva a única certeza que tinha é que, se fosse a vida real, eu já estaria no caixão.

Felizmente, MotoGP 19 é um jogo e eu posso capotar quantas vezes eu precisar até aprender. Depois de um pouco acostumado com o jogo, resolvi testar outras categorias. E não são apenas acabamentos e sons diferentes. Dá pra sentir a diferença entre as motos. A potência, os freios, o torque, a tração, a maneira que fazem as curvas. Principalmente as motos elétricas, pois motores elétricos se comportam de maneira bem diferente de motores à combustão.

As diferenças climáticas estão presentes no jogo, e isso é algo bem positivo. No entanto não sei até que ponto isso foi levado em relação ao controle da moto. Não pude perceber uma diferença entre a relação entre a temperatura da pista e o comportamento e gasto dos pneus (o gasto de pneus está presente, mas não parece não levar em conta a temperatura e tipo do asfalto).

A pista molhada causa uma diferença mais perceptível, mudando, por exemplo, os pontos de frenagem. Mas tenho a sensação que ainda falta algo em MotoGP 19 para ser totalmente convincente. Não percebi danos após quedas. Não percebi um sistema que mede a quantidade de combustível da moto e como isso a afeta em relação ao peso, mas talvez isso seja algo menos relevante em motos.

Se a proposta contava como atrair um público novo, que nunca jogou mas está curioso, talvez algo parecido com um tutorial sobre o básico de pilotagens de moto. Mesmo que fossem algumas dicas em pequenos textos nas telas de loading, por exemplo. MotoGP 19 é para alguém que gosta de corridas e de um bom desafio, é uma boa pedida. Apesar da dificuldade, o jogo flui bem e é bem divertido.

Nota 7/10 voltas feitas fora da pista.

Texto por Bernardo Tofani

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *