Review – The Way

O caminho para a vida eterna!

Tendo como inspiração jogos de ação e plataforma como o antigo Another World, Flashback e Heart of Darkness, o mais recente título da Puzzling Dream, The Way, traz puzzles e um design retrô numa aventura de ficção científica em plataforma.

O enredo introduz o cientista Major Tom, numa ilusão ao icônico personagem criado pelo célebre David Bowie em Space Oddity. Após alguns trágicos eventos familiares, Tom parte para uma exploração em outro planeta, numa jornada pessoal de redescobrimento. A história é desenvolvida também por meio do visual minimalista e nostálgico, que nos transmite constantemente os sentimentos e lembranças do protagonista.

A jogabilidade é, de forma geral, bastante simples. Existem várias ferramentas que são adicionadas conforme o progresso no game, que fornecem novas possibilidades aos quebra cabeças. Na maioria das vezes, os puzzles exigem que o jogador memorize certos locais ou aspectos do cenário. Esconder-se de inimigos será importante e é uma das principais coisas que o game te ensinará.

Ao avançar no game, o protagonista ganhará um orbe que assume diferentes funções como um escudo ou teletransporte. Há uma certa dificuldade, no entanto, com relação ao uso do escudo, uma vez que ele recarrega entre os usos. Um dos piores quebra-cabeças no jogo é o que você precisa desviar os lasers com seu escudo em direção a pequenas telhas para criar um circuito complexo. O peso do escudo dificulta a movimentação, o que torna tudo bem mais complicado.

Os personagens que a trama apresenta são bastante excêntricos e desempenham papéis importantes. Há um grupo de aldeões bárbaros que são encontrados em uma vila antiga, usando máscaras estranhas e que não sabem falar inglês muito bem.

Você também faz parceria com uma criatura semelhante a um gigante (behemoth) laranja chamado “Tincan”. Todos os detalhes de visual em pixels, os próprios modelos de personagens, além da trilha sonora melancólica, enriquecem ainda mais a excelente construção e a narração das histórias. Nenhum ambiente ou nível parece o mesmo, desde cemitérios  e cavernas antigas, até desertos arejados de areia e florestas verdes brilhantes.

Em The Way, traçar um caminho tortuoso e longo por planetas e galáxias para descobrir a chave para a vida eterna pode ser fascinante. É um exame psicológico do espírito e da mente humana, e do que somos realmente capazes quando não aceitamos as eventuais perdas. Certamente, o game é uma boa pedida para quem procura um jogo de quebra cabeças em plataforma, num estilo mais retrô e temática sci-fi.

The Way já está disponível para PC e Xbox One.

Letícia Motta

Hardcore gamer, punk e antissocial. Fã de RPG's de fantasia, ficção científica e quadrinhos independentes. Passa as horas vagas e as não vagas com seus consoles e PC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *