Preview – Breach

Os problemas de Breach começam no escopo

A dificuldade de analisar um jogo em acesso antecipado é bem clara, tudo que está presente ali pode ser melhorado ou mudado. Desse modo temos que focar apenas um uma pergunta. Breach tem potencial?

Breach é o primeiro jogo da QC Games, um estúdio que teoricamente é formada por veteranos da indústria, o jogo é um co-op de 4 contra 1, onde o jogador solitário pode ser um player ou controlado pelo computador, desse modo os desenvolvedores acreditam ter a opção de PVP ou PVE. A experiência é claramente focada no competitivo com uma variedade de classes “diferentes” que podem ser escolhidas, pelos 5 players em cada partida.

A proposta de Breach é a seguinte, os 4 jogadores formam uma equipe para tentar terminar uma dungeon, enquanto o outro player tem de impedi-los. O jogador que controla a masmorra pode plantar armadilhas ou possuir qualquer um dos npcs, incluindo o boss final, dessa forma mantendo sempre um desafio real, mesmo repetindo o mesmo mapa. A premissa é muito interessante e parece ter um potencial incrível.

Os problemas de Breach começam no escopo, é difícil uma desenvolvedora iniciante criar um jogo focado no competitivo, a diferença entre as classes não parece muito relevante, o ataque básico de cada uma é repetido inúmeras vezes, os mapas parecem sempre os mesmos e com os mesmos desafios em cada um. A única coisa que parece realmente única e o boss no fim de cada dungeon. Dessa forma não se pode dizer que o desafio PVE é realmente recomendado, já que os desafios parecem muito repetitivos para se jogar contra um computador.

Na questão do PVP, falta um pouco de variedade e sinergia entre as skills da classe que você escolher, nenhuma delas parece ser realmente interessante, você se sente muito limitado em qualquer uma delas, desse modo não é realmente gostoso de se jogar, a jogabilidade é bem truncada mesmo levando em consideração a latência mediana de se jogar no brasil em um servidor americano.

No fim das contas a proposta do jogo é uma a qual eu gostaria de jogar, como seria legal um jogo onde 4 jogadores tem que completar uma dungeon que se modifica toda vez que é jogada, tendo que formular estratégias com seu grupo para realizar os desafios propostos em tempo real, mas o que nos é apresentado aqui é muita ambição sem ter as formas de realizá-la. No fim Breach é um jogo com um potencial enorme, mas pela falha na realização tem uma jogabilidade sofrível.

Mesmo se você tentar por sua conta e risco e gostar do que ele apresenta, vai ter dificuldade em encontrar  4 amigos dispostos a dar um voto de confiança e torcer para que o gameplay melhore consideravelmente com o tempo. Falta simplicidade, e foco da desenvolvedora em saber qual núcleo deveria melhorar no jogo então acredito que nao vai estar muito diferente em seu lançamento oficial. Uma pena que o jogo tenha problemas estruturais, poderia ser muito mais do que ele apresenta.

Nota: 4/10 vezes que ganhei uma dungeon online

Texto por DeST

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *